quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Antes da infidelidade (parte 2)



A “D” estava sentada ao meu lado a cumprir aquela que seria a sua última explicação. Como Já não havia matéria nova para explicar, então, dirigia-me elogios pelas notas dos últimos testes e do “Muito Bom” a francês. Falava-me das férias e do tempo livre que eu iria ter para estar com os meus amigos. Da minha nova escola e do curso industrial. Mas eu não conseguia reagir. Estava demasiado triste. Tudo o que eu fizera, fora por ela. Para a não decepcionar. Para que gostasse muito de mim e agora era o fim. Ela ia-se embora e eu iria perder tudo. Era esse o sentimento que eu tinha: Perda total.
Ela apercebera-se de tudo o que eu estava a sentir e descansou-me dizendo-me que poderíamos ficar amigos. E para me tranquilizar ainda mais, perguntou-me se eu quereria ir ao cinema com ela nesse fim-de-semana.
Mais tarde, eu percebera que também ela se afeiçoara a mim.
O meu corpo e as minhas hormonas estavam em transformação. O meu comportamento e a minha compreensão sobre os acontecimentos as coisas e as pessoas, tinham outra amplitude.
A minha admiração pela “D” passara para o nível da paixão, do amor.
A “D” nesta altura, fora determinante para os equilíbrios da minha adolescência. Fora uma luz, um caminho uma referência.

As nossas idas ao cinema Restelo. Os nossos passeios a pé por Belém e por Lisboa. As nossas idas à praia e os jogos de sueca em que ela era sempre a minha parceira. As partidas de Monopólio que fazíamos os dois sozinhos durante horas. As nossas conversas, os nossos silêncios cúmplices e o nosso contacto fortuito de pele, levaram-me a construir um mundo dividido em dois hemisférios: O hemisfério Com “D” e o hemisfério Sem “D”.
O hemisfério Sem “D” era o mundo real. Eram as dificuldades do dia-a-dia, o perigo das escolhas e das opções. Os amigos e as namoradas que nunca passaram para o outro hemisfério…
O hemisfério Com “D” era o lugar dos meus sonhos, o paraíso. Era para onde eu me transportava à noite embalado pelos Demi Russos e imaginava a minha vida ao lado da “D”. Curiosamente, nunca tive pensamentos de luxúria ou prazer com a “D”. A minha felicidade estava no conforto da ideia de ela estar à minha espera...

19 comentários:

Saara Senna disse...

Estou gostando e acompanhando tudo rsrrsrs

"O valor das coisas não está no tempo em que elas duram,
mas na intensidade com que acontecem.
Por isso existem momentos inesquecíveis,
coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis".
(Fernando Pessoa)

Sonia Schmorantz disse...

Colho o inefável entre as mãos do vento
como quem colhe rosa em pensamento;

cresço no Tempo e o colorido lento
do vento apaga minha realidade;

pássaro livre nos jardins cifrados,
vôo em violino, em minhas mãos me invento.

Colombo de Souza

Um abraço

Tecnenfermaginando disse...

belíssimo.

:)

Branca disse...

Acompanhando e gostando muito!

Bom fim de semana pra vc,
bjos.

O Faroleiro disse...

Obrigado pelo incentivo...
Bom fim-de-semana

Passaro Azul disse...

Este passo 2 da retirada do véu, ainda nos deixa mais presos à forma excelente com que tudo é descrito.
Por momentos, eu também estava na sala e a vivenciar tudo como se comigo se tivesse passado.
É essa magia que te faz diferente e que torna as visitas ao teu espaço, em vôos de entusiasmo, curiosidade, e muita vontade de voltar sempre.
Tira depressa esse véu, de preferencia ao som das tuas musicas preferidas que são como a tua história carregadas de magia e beleza.
Parabéns.
P.S.- não esqueças de dizeres à tua mãe o que tanto lhe queres dizer.
Um abraço com Amizade e admiração

O Faroleiro disse...

Pássaro Azul, obrigado pelas tuas bonitas palavras. As tuas visitas e os teus comentários são um incentivo para continuar a tirar o véu até que o corpo da verdade mostre a sua geografia...

Fica bem

Maresia disse...

Um prazer conhecê-lo. obrigada pela visita. Vou voltar!

Cadinho RoCo disse...

Existem pessoas que impulsionam nossas vidas.
Cadinho RoCo

malu disse...

cá estou...à espera...de mais

bj
e muita lucidêz

Pedrasnuas disse...

É perfeitamente natural um adolescente de 12 anos se apaixonar pela menina de 18, a distancia entre idades é pouca e o facto de ela ser a explicadora não impede nada!tal como um professor se apaixona pela aluna!
Provavelmente a "D" representava o afecto, por isso os pensamentos nem se abriam à luxúria ...

Porque será que sentiste necessidade de fazer a dicotomia do cérebro? Divisão de mundos...

Beijinho

Sonia Schmorantz disse...

A palavra mágica
dorme na sombra
de um livro raro.
Como desencantá-la?
É a senha da vida
a senha do mundo.
Vou procurá-la.
Vou procurá-la a vida inteira
no mundo todo.
Se tarda o encontro, se não a encontro,
não desanimo,
procuro sempre.
Procuro sempre, e minha procura
ficará sendo
minha palavra.

Carlos Drummond

Lindo domingo!
abraços

Camisinha.com disse...

kd vc???

:t

Passaro Azul disse...

Meu querido Amigo neste mundo virtual, que tantas vezes aproxima as almas.
Não posso deixar de lhe transmitir que foi muito compensador saber que umas singelas palavras minhas o tenham transportado ao tempo em que a sua mão cabia na mão do seu pai.
Essas viagens no tempo, fazem-nos sempre bem. É a proteção que volta de novo! É mesmo!É como se tudo pudesse recomeçar com aqueles que tanto amámos e nos amaram verdadeiramente.
Saber que contribui um pouco para se sentir "feliz", é a minha própria felicidade.
Quando volta a escrever de novo?
Deixou no ar uma curiosidade imensa, demasiada!
Continue meu Amigo, continue.
Abraço-o com o maior carinho desejando que volte em breve ao seu "Encontro singelo".
Faz-nos muita falta.

O Faroleiro disse...

Pássaro Azul,
Muito obrigado pelas suas doces palavras. Você é muito generosa.
Hoje, publiquei no meu blog uma melodia inspirada no voo do Pássaro Azul:
- Fuir le bonheur de Jane Birkin
Seja feliz

Eu sei que vou te amar disse...

Magico! A nostalgia na sua plenitude, onde a espera é infinita! Um post que nos transporta para a beleza dos momentos e do sentimentos que perduram em nos.
Beijo doce

Passaro Azul disse...

Amigo Faroleiro, o que se passa nesse Farol?
Que nenhuma tempestade o enha atingido e que continues, calmamente, "a tirar o véu para que o corpo da verdade mostre a sua geografia".
Estou tão curiosa!
Ler-te é voar nas asas das dtuas palavras muito para além do horizonte, onde toda a fantasia se pode tornar realidade...
Continua o teu texto, parte 3!
Não consegui ouvir a melodia da Jane Birkin que publicaste.
De todo o modo, o meu "bem-haja" envolto no meu abraço carinhoso.

Passaro Azul disse...

Faroleiro Amigo,
O Fuir le bonheur que acabei de ver e ouvir é realmente uma delicia!
Alia a belissima e incomparável forma de "dizer cantando" da Jane Birkin com imagens a "preto e branco" lindas e que nos transportam rumo ao sonho, sobretudo quando no final queremos seguir as pegadas na areia que tantas vezes parecem já estar marcadas para serem seguidas...
Bela escolha meu Amigo.
O meu abraço de felicitação e um sentido bem-haja.
Voltarei àquela praia muitas vezes.

passaro azul disse...

Meu Bom Amigo Faroleiro,
em mais um voo até este espaço de vigia, fiquei presa ao som do video colocado hoje com a voz e a presença de uma estrela que brilha agora mais além.
A emoção e a sensibilidade são a luz desse farol sobranceiro ao mar imenso indicando sempre o caminho a seguir.
Mais uma vez o felicito pela magia que coloca neste seu espaço.
Bem-haja por tão belos momentos.
Deixo-lhe o meu abraço com Amizade.