terça-feira, 19 de agosto de 2008

Mimo

"Pai, o teu colo é o mais fofo do mundo!"
Respondi-lhe com um beijo caloroso e aconcheguei-a um pouco mais ao meu peito.
Tentei retomar a leitura do livro que estava a ler mas a minha concentração ficou suspensa na sua frase tão doce.
Pousei o livro, apaguei a luz do candeeiro e deixei que a novela da TVI se transformasse em poesia...

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Guerra

O Homem construiu pirâmides, monumentos grandiosos como por exemplo a muralha da China.
Organizou toda uma sociedade diversificada.
Inventou o automóvel, o avião e a nave espacial.
Foi à lua, mandou satélites a Marte.
Desenvolveu teorias e teoremas para explicar o que nos rodeia.
Descobriu a cura de doenças complicadíssimas, o genoma humano, etc.
Tudo isto e o mesmo Homem não consegue descobrir a forma de pôr os vários povos a entenderem-se entre si...

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Mensagem

Bom, amanhã, digo amanhã porque embora esteja a escrever esta mensagem hoje, julgo que só amanhã, talvez de manhã, é que a vais ler devendo tu entender então, o amanhã de manhã talvez, não o amanhã em relação aquilo que para ti é o amanhã, mas sim o amanhã em relação a hoje que para ti deverá ser ontem. Se não a leres amanhã mas sim depois de amanhã, então deverás entender o depois de amanhã, não o depois de amanhã em relação aquilo que para ti é o depois de amanhã mas sim, o depois de amanhã em relação a amanhã tendo como partida o hoje que para ti seria o anteontem. Então e se não a leres nem amanhã nem depois de amanhã? eh, eh,eh,eh,eh
Mas afinal o que é que eu queria dizer?

Já sei, amanhã é 5ª Feira. Se leres esta mensagem amanhã, estão amanhã, de facto é 5ª Feira, véspera de feriado. Se a leres depois de amanhã, já será 6ª Feira (feriado) o que significa que já estás de fim-de-semana e perdeste o que eu queria dizer:
- Boas mini-férias!

Piropo

Há poucos dias, num restaurante da margem sul, tive o privilégio de ser servido por uma jovem muito eficiente e simpática.
Quando a chamei para lhe encomendar a sobremesa não resisti e disse-lhe:
- Você tem uns olhos lindos!
Ela esboçou um sorriso encantador e respondeu-me:
- Obrigado. O senhor é muito gentil!
Será que as mulheres mudaram mesmo?
Ou fui eu que mudei?

O que vale a pena

Todos andamos à procura do amor.
Muitos levam a vida a adquirir coisas acessórias e fúteis. Mas na realidade o que querem, o que precisam, é do amor.
Compram um carro topo de gama e o prazer ou a felicidade do momento desaparece ao fim do primeiro quilómetro. Compram uma casa com jardim e passado pouco tempo estão a pensar na sua troca. Compram roupa caríssima e vão para o Gym e nunca estão satisfeitos com os resultados. Não são coisas que procuramos. Não é a imagem que nos preocupa. O que queremos verdadeiramente é o amor. O resto, são sublimações...
O maior património que podemos ter não são coisas. São os momentos de felicidade, a confraternização com a família, as viagens, os copos que se bebe com os amigos, as loucuras de amor, a paixão. Este, é o verdadeiro tesouro que nos enriquece, que nos pertence verdadeiramente e que vai connosco para a eternidade...







Não mandei mas

Sinto o pulsar forte do meu coração.
Quanto mais procuro não me concentrar nele, mais o sinto até ao ponto em que me incomoda. Procuro concentrar-me noutra coisa, desviar o pensamento do meu peito.
Eu não mando o coração bater, mas ele bate!

Sinto um ardor dentro de mim por desejar o que não tenho, o que não possuo.
Desejo a mulher, a amante. Este desejo atormenta-me, consome-me lentamente as entranhas. Desejo um amor louco cheio de fantasias. Os meus lábios estão secos, o meu corpo está faminto. Tenho sede de beijos, tenho fome de amor.
Eu não mando desejar, mas desejo!

Todos os dias me interrogo sobre a vida que tenho. Não sei o que tenho de fazer para não ficar ansioso e triste. Procuro e não encontro as respostas certas que não sejam através dos sonhos.
Sonho com a serenidade, com a aceitação tranquila do meu destino. Sonho com a felicidade com o amor.
Eu não mando sonhar mas sonho!

Cada vez, sinto-me mais só. Estou isolado num mundo inóspito que criei e que não gosto, não quero. Existe um mundo radioso à minha volta mas quando olho para mim sinto um deserto tão árido.
Sinto-me a perder as forças, a determinação que sempre me acompanhou. Olho para a minha sombra, eterna companheira, mas ela esconde a indignação de mim, de todos. Sinto-me estranho embora me conheça cada vez melhor…
Eu não mando sentir, mas sinto!

Penso na beleza, na alegria e na felicidade.
Penso nos momentos singelos, numa andorinha a construir o seu ninho, no perfume duma rosa, na textura dum lençol.
Penso num sorriso cúmplice, num passeio à beira mar, na liberdade.
Penso num cálice de vinho, numa vela acesa com intencionalidade, num vidro embaciado duma janela.
Eu não mando pensar, mas penso!

Ainda oiço a sua voz de dor. Ainda vejo os seus olhos melosos surpreendidos com uma opção que me consome.
Emociono-me com o adeus que eu nunca mais quero repetir nem sequer escrever.
Eu não mando emocionar-me, mas emociono-me!

As manhãs repetem-se.
As noites são frias e longas.
A Terra continua no seu movimento e o tempo não pára.
Eu não mando envelhecer, mas envelheço!

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Muitas pessoas temem que os espanhóis entrem no nosso mercado com a sua agressividade e que tomem conta da nossa economia. Eles já possuem Bancos, empresas nos vários sectores incluindo a indústria do turismo.
Aqueles que têm medo da invasão dos espanhois, eu pergunto se a distância de Madrid a Lisboa não é a mesma de Lisboa a Madrid?

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Vigia


Estou à espreita do futuro a partir do presente.

Como olharei o passado a partir do futuro?

Social

Faço parte duma super população de 6,5 biliões de humanos e no entanto, cruzo-me com tão poucos. Desses poucos com quem me cruzo, praticamente não estabeleço relações de espécie alguma. Dos pouquíssimos com quem estabeleço contacto e inicio uma relação, mais tarde ou mais cedo acabamos de costas viradas uns para os outros.
Porquê que não nos relacionamos pelos aspectos positivos que cada um de nós tem, pondo de parte os pontos negativos?
Porque não damos maior relevância às coisas boas do que às más?

Tendo em conta o milagre da vida, e a coincidência de vivermos neste espaço e neste tempo, não será um acaso digno de registo quando duas pessoas se cruzam? Porquê que elas não fazem desse encontro um acontecimento feliz?
Porquê tanta dificuldade e desconfiança. Será que nós já pensámos que sem pessoas jamais seremos felizes?

Determinismo

Num planeta com 5 continentes, 193 países e cerca de 500 mil ilhas, foi aqui neste ponto mais ocidental da Europa que eu nasci.
Se tivesse nascido num desses países que contribuem para a estatística vergonhosa de que morre uma criança de fome em cada 5 segundos, o que seria ou quem seria eu?

Ou se tivesse nascido num desses países fundamentalistas que levam as pessoas a suicidarem-se em atentados bombistas acreditando que vão para o paraíso? Seria eu um deles?
É estranho como a sorte ou o acaso do sitio onde nascemos, pode determinar o que somos e quem somos…